domingo, 22 de maio de 2011

Vinícius de Moraes

Vinícius de Morais é um poeta essencialmente lírico, o poetinha (como ficou conhecido) notabilizou-se pelos seus sonetos. Conhecido como um boêmio inveterado, era também conhecido por ser um grande conquistador. O poetinha casou-se por nove vezes ao longo de sua vida. 
Sua obra é vasta, passando pela literatura ,teatro, cinema e música. No campo musical, o poetinha teve como principaos parceiros Tom Jobim, Baden Powel e Carlos Lyra. No fim dos anos 20, Vinícius de Morais produziu letras para 10 gravações musicais , nove delas parcerias com os Irmãos Tapajós. Seu primeiro registro como letristas veio em 1928,quando compôs “loira e morena”. 
Ainda na década de 1930,Vinícius de Morais estabeleceu amizade com os poetas Manuel Bandeira, Mário de Andrade e Oswald de Andrade. O ano de 1958 marcaria o início de um dos movimentos mais importantes da música brasileira, a Bossa Nova. A pedra fundamental do movimento veio com o álbum ‘’Canção do amor demais’’, gravado pela cantora Elizeth Cardoso. Além da faixa-título , o antológico LP contava ainda com outras canções de autoria da dupla Vinícius e Tom, como “ Luciana”, “Estrada branca”, “outra vez” e “chega de saudade” 
‘’Chega de saudade” foi uma canção fundamental daquele movimento, especialmente porque o álbum de Elizeth contou com a participação de um jovem violinista, que com o seu inovador modo de tocar violão, marcaria definitivamente a Bossa Nova e a tornaria famosa no mundo inteiro a partir dali. O nome deste violinista é João Gilberto.
  A importância do disco ‘’Canção do amor demais” é tamanha que ele é tido como referência por muitos artistas como Chico Buarque e Caetano Veloso.  




Vai minha tristeza,
e diz a ela que sem ela não pode ser,
diz-lhe, numa prece
Que ela regresse, porque eu não posso Mais sofrer.
Chega, de saudade
a realidade, É que sem ela não há paz,
não há beleza
É só tristeza e a melancolia
Que não sai de mim, não sai de mim, não sai
Mas se ela voltar, se ela voltar
Que coisa linda, que coisa louca
Pois há menos peixinhos a nadar no mar
Do que os beijinhos que eu darei
Na sua boca,
dentro dos meus braços
Os abraços hão de ser milhões de abraços
Apertado assim, colado assim, calado assim
Abraços e beijinhos, e carinhos sem ter fim
Que é pra acabar com esse negócio de você longe de mim
Não quero mais esse negócio de você viver sem mim

segunda-feira, 16 de maio de 2011

O médico e o velhinho

Médico: Por que a pressa?
Ele: Todos os dias neste horário vou visitar minha esposa que está em um asilo.
Médico: Que bacana! Então vocês matam as saudades, batem papo, namoram um pouquinho..
Ele: Não. Ela não me reconhece mais, por causa de sua doença.
Médico: Mas por que então tanta pressa para vê-la, já que não o reconhece mais?
Ele: Mas eu a reconheço! Eu sei quem ela é e o que representa na minha vida a tantos anos. Por isso todos os dias eu a reconquisto, como se cada conquista fosse única e verdadeira. Este é o verdadeiro amor. ( autor desconhecido)

terça-feira, 10 de maio de 2011

domingo, 8 de maio de 2011

Dia das mãe


Renovadora e reveladora do mundo
A humanidade se renova no teu ventre.
Cria teus filhos,
não os entregues à creche.
Creche é fria, impessoal.
Nunca será um lar
para teu filho.
Ele, pequenino, precisa de ti.
Não o desligues da tua força maternal.

Que pretendes, mulher?
Independência, igualdade de condições...
Empregos fora do lar?
És superior àqueles
que procuras imitar.
Tens o dom divino
de ser mãe
Em ti está presente a humanidade.

Mulher, não te deixes castrar.
Serás um animal somente de prazer
e às vezes nem mais isso.
Frígida, bloqueada, teu orgulho te faz calar.
Tumultuada, fingindo ser o que não és.
Roendo o teu osso negro da amargura.

(Cora Coralina)